Informações aos clientes que desejam fazer procedimento estético de PREENCHIMENTO

facial

Devido ao grande número de complicações aos pacientes que realizam procedimentos não invasivos com fins estéticos, vamos enumerar alguns pontos importantes a serem levados em conta antes de realizar este tipo de procedimento:

Segurança

1-      Os pacientes devem procurar se informar na Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica- SPCP se o profissional é membro dessa sociedade ou se tem registro no Conselho Regional de Medicina.

2-      O paciente deve ser examinado por esse médico na  relação médico paciente , onde o profissional deverá avaliar e indicar o procedimento adequado em cada caso.

3-      O profissional deverá  solicitar cuidados pré operatórios tais como: Documentação fotográfica, exames de sangue, urina, eletrocardiograma, risco cirúrgico solicitado pelo clínico ou cardiologista.

4-      Devem ser utilizados materiais adequados para cada tipo de procedimento, como o uso de cânulas com ponta romba e não agulhas, em pequenos procedimentos é usado no preenchimento o ácido hialurônico e em médios e grandes procedimentos é indicado a gordura do próprio paciente, previamente preparada antes de ser colocada.

5-      Qualquer tipo de preenchimento deverá ser realizado no ambiente hospitalar que tem inclusive Unidade de Terapia Intensiva-UTI para comportar o paciente em situações de emergência.

6-      O médico ou cirurgião deverá informar ao paciente qual material deverá ser empregado, o tipo de anestesia, além de uma equipe completa composto pelo cirurgião, auxiliar, anestesista e instrumentador.

7-      Após o preenchimento o paciente deverá ser acompanhado pelo seu médico no Pós operatório imediato com atendimento em uma sala especializada de curativo, com todo rigor como no centro cirúrgico. O paciente deverá ter acompanhamento imediato durante 30 dias e acompanhamento tardio durante 3 meses.

8-      O paciente não deve ser submetido até mesmo nos pequenos procedimentos por profissionais que não sejam cirurgiões plástico em ambiente não hospitalar. Além disso, materiais que não sejam aprovados pela ANVISA, como silicones líquidos, industrias entre outros.

 

Preenchimento com gordura

gordura