Nariz

rinoplastia

CONSIDERAÇÕES MÉDICAS FUNDAMENTAIS (RINOPLASTIA)

A Rinoplastia, cirurgia estética que mais chama a atenção, por modificar a linha do perfil, ou contorno facial, da (o) paciente, permite resultados anátomo-funcionais com a preservação dos elementos anatômicos nobres do nariz. Ao mesmo tempo em que confere harmonia estética ao nariz, restaura-lhe, não raro, a funcionalidade. Tem sanado problemas respiratórios, associados ao septo e à hipertrofia dos cornetos, assim como sintomas crônicos de coriza.

Situado no meio do rosto, o nariz guarda natural equilíbrio com o demais elementos da face. Assim, a forma do “novo nariz” será planejado na primeira consulta baseando-se na harmonia do conjunto, condição básica que o cirurgião deve observar.

O resultado da Rinoplastia é definitivo e sua obtenção é a culminência de um processo. Na primeira fase, após a retirada do gesso, em torno do 7º dia, malgrado à correção de vários defeitos do nariz original, aparece um edema (inchação), assim como manchas de infiltrado sangüíneo, que vão diminuindo com o passar dos dias até sumir por completo no 6º mês. Em certos pacientes, o edema desaparece antes do 6º mês. Em outros persiste um pouco mais no tempo. Não se pode precisar qual das duas possibilidades irá ocorrer, apenas que a eventual persistência do edema além do 6º mês em nada interferirá no resultado final.

A cirurgia melhora as condições respiratórias quando estas são precárias no nariz original. No entanto, pode haver dificuldades nas primeiras semanas, tendo em vista que o edema se manifesta também na parte interna do nariz. Deve-se levar em conta, ainda, que a “válvula respiratória” fica prejudicada em seu movimento, face à alteração da elasticidade das asas. A normalidade vem com o tempo. Ademais, problemas respiratórios são em geral ligados ao septo e à hipertrofia dos cornetos, os quais são corrigidos no mesmo ato cirúrgico.

Cicatrizes são praticamente inaparentes na Rinoplastia. Isto porque as incisões são feitas dentro do nariz ou nos sulcos, deixando, consequentemente, vestígios quase invisíveis. Em casos especiais, quando as asas são tratadas, resultam duas pequenas cicatrizes nos sulcos, entre as asas e a face, as quais, contudo, o tempo se incumbe de tornar imperceptíveis. Em outros casos, ainda, uma cicatriz imperceptível é colocada na “columela” (parte inferior do nariz).

A Rinoplastia é considerada cirurgia de pequeno porte quando objetiva a correção de apenas um determinado elemento anatômico ou setorial do nariz.

A Rinoplastia é considerada cirurgia de porte médio quando abrange todos os elementos da pirâmide nasal, inclusive com fraturas dos osso próprios do nariz (osteotomia e septoplastia).

A Rinoplastia raramente determina alguma conseqüência mais séria. Sendo, contudo, um ato cirúrgico como outro qualquer, pode ser objeto de imprevistos em sua evolução pós-operatória. A tais imprevistos dá-se o nome de intercorrências, as quais não podem ser confundidas com os aspectos intermediários do processo evolutivo e independem da experiência do cirurgião e da técnica empregada, mas pura e exclusivamente das reações orgânicas de cada paciente. Podem ser corrigidas, após o 3º mês, mediantes “retoques”.

Nestes casos, as despesas serão reduzidas às proporções do novo procedimento. O tempo normal da cirurgia é de 2 horas e o de internação pode ser de 6 horas, em caso de anestesia local, e de 24 horas, em se tratando de anestesia geral. É geralmente indolor o pós-operatório da Rinoplastia. Eventual surto de dor será facilmente debelado com analgésicos, que serão receitados como preventivos, e compressas geladas nos olhos durante os 3 primeiros dias.

Ocorrerá, normalmente, nas primeiras 48 horas, um pequeno sangramento através do tamponamento de gaze. Um curativo de proteção, sobreposto à abertura do nariz, será colocado preventivamente, a fim de reparar a evasão sangüínea. E poderá ser trocado em casa, tantas vezes quantas necessárias forem. Realizada a cirurgia, o nariz será imobilizado com uma forma de gesso durante 7 dias, após os quais será a mesma substituída, na clínica, por outra igual período ou não, o que dependerá do grau do edema (inchaço). O gesso é muito importante para a primeira fase da modelagem do nariz, uma vez que mantém e estabiliza as fraturas dos ossos nasais.

Será de fundamental importância para a consecução do resultado que a (o) paciente cumpra as recomendações pré e pós-operatórias a seguir explicitadas, fornecendo, assim, sua cota de responsabilidade no pleno atingimento do sucesso operatório.

 

RECOMENDAÇÕES PRÉ-OPERATÓRIAS:

1. Em caso de uso de qualquer droga (medicamentosa ou não), cigarro ou qualquer outro tipo de fumo, não deixar de comunicar o fato ao Clínico Cardiologista por ocasião da avaliação de risco cirúrgico.

2. Comunicar ao cirurgião, até dois dias antes da cirurgia, qualquer caso de gripe, coriza ou outros sintomas que afetem a boca, o nariz ou a garganta.

3. Se a cirurgia for marcada para às 8hs, apresentar-se na clínica em jejum de líquidos e sólidos a partir das 22hs do dia anterior. Caso o ato cirúrgico seja previsto para depois das 13hs, a refeição matinal deve terminar às 8hs e constar de 1 xícara de café, leite ou suco, além de 02 bolachas.

4. Trazer para a Clínica toda a medicação que eventualmente esteja usando sob autorização do Clínico Cardiologista, e ainda, uma relação da medicação por ventura usada nos sete dias antecedentes à cirurgia.

 

RECOMENDAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS:

1. Evitar o sol, seja de praia, da rua ou mesmo da varanda, vento e friagem nos três primeiros dias. A partir de então, as exposições eventuais e rápidas ao sol de rua devem ocorrer sob a proteção das manchas roxas por filtro solar.

2. É proibida a exposição do novo nariz ao sol de praia e-ou em iguais circunstâncias de intensidade durante 40 dias após a cirurgia.

3. É vedado o uso de óculos até liberação pelo cirurgião.

4. É de fundamental importância dedicar cuidados especiais ao gesso, evitando a umidade, movê-lo e, mais gravemente ainda, removê-lo, “para ver como ficou o nariz”. Tal procedimento pode comprometer seriamente o resultado da cirurgia.

5. Após 20 dias, seguindo orientação da Clínica, iniciar a aplicação de compressas mornas e de massagens suaves no nariz, visando acelerar o processo de normalização.